O sonho profétioco

Deitada no seu leito, naquele modesto quarto, no coração do Cabo, Iva repousava. Pétalas de rosas espalhadas no chão, para Jesus passar, exalavam suavíssimo perfume que a enferma respirava lentamente. A visita do Padre Roberto, trazendo-lhe a Eucaristia era diária.Fortalecido o espírito, saciado aquela ânsia de Deus Infinito, após suas orações, nada lhe restava fazer, dadas as circunstâncias, senão dormir.Seu rosto magro e pálido, lentamente vai adquirindo vida.
É evidente que algo extraordinário está a lhe acontecer naquele sono. Eis que a luz azulada acompanhada por uma música celestial, cobre um monte distante onde seu subconsciente a levara, a fim de encontrar-se com o Pai da Misericórdia em Francisco. Este, surge a oferecer-lhe um vestígio de esperança, transmitida pela destra levantada em sua direção.- Iva por amor a Jesus Crucificado, vou curar-te, minha filha, levanta-te e anda; constrói a minha Igreja, o Abrigo para os meus velhinhos…
Vive da cuia, pega-a. Era Iva sendo curada através do sono, pois dela Deus quis precisar, a fim de desenvolver um trabalho evangélico, a exemplo de Francisco de Assis, em prol dos menos favorecidos, neste Cabo de tantos santos.

Lentamente vai retornando ao mundo consciente, descobrindo os caibros que já contara tantas vezes. Numa pequena mesa forrada de branco, um vaso de vidro com água para purificar os dedos do sacerdote, por ocasião da distribuição do Corpo de Cristo, condutor de energia, restauradora de vida; um manustérgio pequenina e estreita toalha de tecido para enxugar os dedos após purificados. Impulsionada pela voz musical que continuava a envolvê-la, sentou-se na cama, encerrando ali os sete anos de paralisia. Reunindo todas as forças, levanta-se, pega com dificuldade um robe pendurado num cabide atrás da porta, veste-o. Sentindo-se entre o sonho e a realidade, carregando Jesus no coração, impulsionada por Francisco, com a sensação de leveza e irrealidade, anda por sobre as pétalas de rosas vai até a cozinha atrás de um pirãozinho de bacalhau.
É desnecessário falar da agridoce surpresa com que sua mãe, D. Laura, que conversava com Cecita, a recebeu. Só poderia ser a visita da saúde à querida filha – pensava.Não obstante, era milagre mesmo. Iva estava curada. E, por nenhum momento abandonada.O próprio Jesus, na Eucaristia, recebido entre flores e abrigado carinhosamente por Iva, ia direto ao seu coração fazer morada, pois ela sempre O amara.

“Esperei com paciência no Senhor, e Ele se inclinou para mim, ouviu o meu clamor” (SI. 4,1)

Maria José Cassimiro doa o quadro MAS NÃO SABIA que ele era O SINAL DE CONFIRMAÇÃO DO MILAGRE abençoar.

Deixe uma resposta